quarta-feira, 30 de abril de 2014

Sem chuva, nível do Cantareira cai para 10,7%


30 de abril de 2014 | 12h 08

SÃO PAULO - Com chuva abaixo da média em abril, o Sistema Cantareira voltou a registrar novo recorde negativo. Nesta quarta-feira, 30, o nível do principal manancial paulista caiu para 10,7% da capacidade, segundo medição feita pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp). Na terça-feira, os reservatórios tinham 10,9% de volume armazenado. Há um ano, o índice era de 62,8%.

NOTÍCIAS RELACIONADAS


Segundo a Sabesp, a pluviometria acumulada nas cinco represas que formam o Sistema Cantareira em abril é de 85,7 milímetros, abaixo da média histórica de 89,3 milímetros. De acordo com a previsão feita pela sala de situação do comitê das bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ), onde ficam os principais reservatórios do manancial, não há previsão de chuvas na região até o próximo domingo.

No acumulado dos quatro primeiros meses do ano, a vazão média afluente registrada nas represas do Cantareira, ou seja, o volume de água que entrou no manancial, corresponde a apenas 15% da média histórica, segundo monitoramento feito pelo comitê anticrise liderado pela Agência Nacional de Águas (ANA) e pelo Departamento de Água e Energia Elétrica (DAEE), do governo paulista.

A situação é mais crítica nas represas Jaguari/Jacareí, que representam 80% da capacidade total do Cantareira. Nos reservatórios localizados na região de Bragança Paulista, o nível é de apenas 3,1%, segundo o comitê anticrise. É nesta região que a Sabesp pretende começar a captar a partir do dia 15 de maio a água do chamado "volume morto", reserva represada abaixo do nível das comportas.

Nesta quarta-feira, a ANA e DAEE vão divulgar qual a vazão média de água que a Sabesp poderá retirar do Cantareira no mês de maio. A tendência é de que os órgãos reguladores reduzam o volume que a companhia pode captar para abastecer a Grande São Paulo. Em março, quando a vazão foi reduzida de 31 mil litros por segundo para 27,9 mil, a Sabesp cortou em 15% a água vendida no atacado para as cidades de São Caetano e Guarulhos, que decretou racionamento.