terça-feira, 11 de novembro de 2014

O Porquê da Greve dos Rodovíários, já em seu 6º dia




Está mais  que óbvio que o GDF atual repassará a cadeira segura apenas  por tênues  fios ao seu próximo governante. Rombos e mais rombos financeiros; problemas e mais problemas.

Exemplo?
O contrato de concessão de prestação e exploração de serviços básicos rodoviários do Sistema de Transporte Coletivo do Distrito Federal - STPC/DF.  Esse contrato é bem claro com relação ao repasse de subsídio para a conta de compensação, que deverá ocorrer por dotação orçamentária, vinculada  ao orçamento da Secretaria de Estado dos Transportes, no valor da chamada TARIFA TÉCNICA por passageiro pagante. Pelo visto, alguém não fez o dever de casa, pois ainda restam, segundo a mídia, 12 milhões a serem pagos, no caso, à Pioneira.

Em contrapartida, a TARIFA DE USUÁRIO paga por milhares de pessoas, pelo visto "não faz cócegas" nos balanço financeiro das empresas. Nesse viés, citamos a exploração publicitária no interior e exterior dos veículos, que também as beneficia. Pelo visto, é pouco. Muito pouco.

Eu, tentando entender: o que banca o sistema, então: 1) subsídios (TERIFA TÉCNICA- gratuidade diversas), 2) o pagamento da TARIFA DE USUÁRIO por bilhetagem eletrônica,  3) o pagamento da TARIFA DE USUÁRIO em espécie, e finalmente,  4) as receitas acessórias. Será que é isso?

O contrato em questão é 10 (dez) anos, de um valor absurdo e não temos, hoje, transporte público para voltar pra casa, porque o  direito de ir e vir  foi cerceado em função de um agente/gerente/diretor/secretário de competência duvidosa, já que no contrato reza, também,  que "Não se caracteriza como descontinuidade do serviço a interrupção em situação de caso fortuito ou força maior e de greve dos trabalhadores do STPC-DF." Se isso não for descontinuidade, o que será, então?

Por último, destaco que o próprio Edital nasceu errado, considerando que o advogado que fora contratado (o GDF não tem consultoria jurídica para esse fim?) para a sua elaboração era bem conhecido do  empresariado que entraria na disputa.

Bom, Brasília tem, hoje, em minha opinião, o pior transporte público de todos os tempos e as Satélites do Gama, Santa Maria, São Sebastião, Paranoá, Lago Sul, Jardim Botânico, Candangolândia  e Park Way estão sem ônibus pelo sexto dia consecutivo e digo mais, isso não é porque as empresas são ruins. Elas são o que são e querem ganhar. Ruim de roda é o GDF, permissivo, paternalista e incompetente. Isso não é uma reflexão. É uma constatação.


Outras notícias sobre o DFTrans: