quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

ARREBATA-ME




arrebata-me
toma-me pra ti
como a um copo de água pra matar tua sede
se não mais procuro cogumelos pelos campos,
se perco sempre o último trem na estação fria,
se a imagem refletida no espelho já não é a minha,
se meu corpo pede descanso do labor diário,
se minha voz desafinada não canta a música certa,
nada disso importa:
arrebata-me
toma-me pra ti
como a um copo de água pra matar tua sede

Marcos Freitas. Do livro: Raia-me fundo meu sonho tua fala.

Postado em 4/12/2009 17:45:00 no falecido Space