segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Relembranças Minhas e a Motivação de Thomas Edison


postado originalmente em 5/7/2010 11:38:17, no Space
No ano de 2008 tomei a séria decisão, por achar que as minhas posses eram parcas, de deixar tudo e seguir o sonho de viver a dois, longe de Brasília.

Em que pese minha vontade de mudar, nada deu certo... Não era a hora, não era a pessoa e não era o lugar... Não era vida de que Deus queria para mim e, pasmem, nem eu mesma queria aquela vida.  

Felizmente, de alguma forma, meu lado otimista, que havia  sido morto, velado e sepultado, renasceu e passei, então, a ficar insatisfeita por não conseguir enxergar qualquer futuro no que estava acontecendo. Viver mais cem anos, daquela forma? Não... Era altamente recusável.

O interessante é como conseguimos forças para virar as costas a quem amamos, mas não temos coragem de fazê-lo a quem nos causa sofrimento. Medo? Talvez.

Felizmente, acordei da minha letargia e pude voltar...

Alguém me disse que eu deixara  "migalhas de pão pelo caminho".  Não. Eu poderia voltar mesmo às cegas... mesmo que tateando... usando todos os meus sentidos, pois estavam todos em alerta.

É maravilhoso poder voltar, recomeçar... Acabamos achando forças mesmo que tenhamos que recomeçar do zero!

Ainda há muito a ser feito, mas cá estamos para isso mesmo... aprender, ensinar, crescer, conquistar...
Não sei se o texto abaixo trata de algo  verídico, pois não pesquisei.

O que quero deixar é que no recomeço os erros são deixados para trás, ficando a oportunidade e o desejo de fazer diferente.

Boa leitura!
************** 
Um exemplo de Otimismo foi demonstrado por Thomas Edison, o gênio inventor e um inveterado Otimista, pela forma como reagiu a um aparente grande infortúnio. 

Numa noite de 1914,seu laboratório, que valia mais de US$ 2 milhões na época e não estava no seguro, começou a se incendiar, com todos os preciosos registros de Edison em seu interior. 

No auge do incêndio, enquanto os bombeiros tentavam apagar o fogo, charles, filho de Edison, freneticamente procurava o Pai, que tinha o hábito de trabalhar até tarde da noite. 

Aliviado, ele encontrou Edison fora do laboratório, fitando serenamente a cena. 

O Semblante de seu pai refletia o brilho das chamas e seus cabelos grisalhos esvoaçavam ao sabor da leve brisa. 

Charles sentiu um aperto no coração vendo o pai, com 67 anos, testemunhar o trabalho de toda uma vida ser consumido pelas cinzas. 

Após horas de silêncio. Edison disse a seu filho: 

“Existe um grande valor num desastre como este. Todos os nossos erros são queimados. Graças a Deus e podemos começar tudo de novo”. 

E Edison, de fato, começou de novo. 

Até o incêndio ele tinha passado três anos tentando inventar o toca-discos. 

Três semanas após o desastre ele conseguiu.