segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Singularidades do Amor

Porque transbordar é tudo...

Pelo copo
Pelo corpo
Pela luz do abajur
Pelo tempo
Pelo espaço
Pela vida
em comum
Somos feitos
Sem reservas
Somos fruto
Somos flor
Somos dor
E alegria
Somos o todo
Somos um

Não se explica
Não se sabe
Só se deixa
Acontecer
Não se mata
O destino
Não se pode
Escolher
Se pudesse
Eu quisera
Ter coragem
E dizer não
Ao que fala
O meu corpo
Ao que grita
O coração


Magda, 1995